Discussões relacionadas a gênero nos planos de educação: um olhar sobre o respeito à orientação sexual e à identidade de gênero
Full Text (PDF)

Keywords

educação
gênero
legisladores, respeito

Abstract

Esse artigo tem como objetivo refletir e discutir sobre os motivos que alavancaram debates acalorados na aprovação dos últimos Planos de Educação, tornando as casas legislativas centros de intolerância às questões relacionadas a gênero, perdendo o foco da importância da melhoria da qualidade da educação brasileira. No rumo das discussões, discorre-se sobre o prejuízo para a educação em ciências estabelecido na resistência em nominar a diversidade com termos vistos como ameaçadores. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de procedimento documental e bibliográfico que utiliza como técnicas de coleta a seleção de documentos e a narrativa para explicar as expressões suprimidas, entre outras, identidade de gênero e orientação sexual. A junção dos materiais e o andamento dos fatos, remetem ao preconceito, desinformação e interesses variados reunidos num movimento social que discrimina e retarda a implantação de políticas públicas significativas e necessárias.

https://doi.org/10.54745/ejerv3n1-001
Full Text (PDF)

References

AZEVEDO, Paulo Ricardo Júnior, Cartilha – Você já ouviu falar sobre a “Ideologia de Gênero”. Várzea Grande: 2014. Disponível em https: //padrepauloricardo.org/episodios/a-ideologia-de-genero-nos-planos-municipais-de-educacao. Acesso em: 05 out, 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília/DF, 1988.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais de Educação. 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 20 ago, 2016.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 24 de dezembro de 1996a. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília/DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 13 out. 2016.

BRASIL. Dados do Poder Público Federal, 2012. Disponível em: http://www.sdh.gov.br/assuntos/lgbt/pdf/relatorio-violencia-homofobica-ano-2012. Brasília/DF. 2012. Acesso em: 17 out, 2016.

FOUCALT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Lígia Maria Ponde Vassalo. Petrópolis: Vozes, 1987.

FURLANI, Jimena. Educação sexual na sala de aula: Relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2011.

O MANIFESTO dos pioneiros da educação nova. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília. V.65, n.150. p.407-25, maio/ago.1984. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/22e/doc1_22e.pdf, acesso em 16jun.2016.

STEINER, Leonardo Ulrich. Carta de Dom Leonardo Steiner contra a Ideologia de Gênero nos PMEs. Brasília: 2015. Disponível em: https //padrepauloricardo.org/episodios/a-ideologia-de-genero-nos-planos-municipais-de-educacao. Acesso em: 06 out, 2016.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol.20, no 2, jul./dez, 1995.